Gestão de Segurança Patrimonial – Dimensionamento

Equipe de Segurança Patrimonial

Dimensionamento de Equipes de Segurança Patrimonial

Uma das decisões importantes acerca de um serviço de Segurança Patrimonial é o tamanho da equipe e a distribuição dos tipos de profissionais. O tamanho e especialização da equipe deve ser suficiente para dar vazão a todas as rotinas e absorver variações de demanda durante o dia. Infelizmente o absenteísmo costuma ser relativamente alto nestas funções e o dimensionamento deve prever também alguma folga para acomodar remanejamento da equipe.

Nos parágrafos a seguir serão apresentados alguns componentes típicos das equipes de Segurança Patrimonial, sua formação e atribuições. Será apresentada também uma maneira de dimensionar corretamente a quantidade de profissionais necessários ao bom funcionamento de uma equipe de Segurança Patrimonial.

Vigilante

Este é o profissional mais conhecido de uma equipe de Segurança Patrimonial. É ele quem pode realizar as rondas, operação de CFTV e portar armas. Sua formação é feita conforme determinações da Polícia Federal na Portaria 387/2006, Seção V. O vigilante pode realizar as atividades do Porteiro.

Porteiro

O porteiro é um profissional menos qualificado que o vigilante, cujas atividades são restritas a atendimento e encaminhamento de visitantes, veículos, recebimento de correspondência e outras atividades secundárias. Ele não pode portar armas e nem realizar as atividades de vigilante.

Recepcionista

O recepcionista (na maioria das vezes “a” recepcionista, pois as empresas normalmente preferem mulheres nesta função) é responsável por atender a visitantes. Pode também desempenhar algumas tarefas burocráticas e separação de correspondência.

Nas empresas que necessitam de comunicação em outro idioma além do Português, usualmente é este profissional que é bilíngue.

O(A) Recepcionista tem um foco de trabalho mais interno, de escritório. Pode, no entanto, em circunstâncias especiais, substituir o Porteiro.

Conferente

O conferente é o profissional especializado em verificar Notas Fiscais versus mercadorias recebidas ou despachadas. Dever ter conhecimentos especializados no(s) tipo(s) de produto(s) sendo manuseados na indústria na qual está lotado.

Sua função demanda atenção concentrada e é de muita responsabilidade. Erros em notas fiscais ou recebimento/despacho de mercadorias indevidas geram muitos problemas às empresas.

O conferente não pode realizar quaisquer das outras funções.

Dimensionamento de Equipes

O dimensionamento das equipes de Segurança Patrimonial deve levar em consideração as rotinas aplicáveis e os profissionais necessários para desempenhá-las.

Ao considerar as rotinas, é necessário avaliar:

  • Quantidade de postos de trabalho por rotina;
  • Necessidade de dedicação exclusiva a cada posto;
  • Variação das rotinas desempenhadas durante o dia ou noite;
    • Funções com regime de trabalho 12X36
  • Necessidade de reservas para o posto de trabalho;

Todos esses dados podem ser consolidados em uma planilha. Isto é demonstrado através de um exemplo.

Exemplo – Cenário Industrial Corporativo

Consideremos uma indústria localizada em um condomínio industrial de uma comunidade relativamente pacata. São produzidos bens de consumo de pequenas dimensões que podem ser facilmente escondidos e tem muita procura no mercado. Lá também são desenvolvidas atividades corporativas e ocorrem muitas visitas de estrangeiros que usam inglês como idioma. Há intenso trânsito de caminhões de cargas e o estacionamento é localizado próximo ao local.

Estudo de Segurança

As recomendações do “Estudo de Segurança” foram todas acatadas, exceto a automatização do portão principal. Como medida paliativa, o portão é deixado aberto durante o horário comercial e fechado no restante do tempo. Isto exige que o portão seja permanentemente vigiado.

A empresa é dotada de CFTV.

Rotinas

As rotinas necessárias à empresa exemplo são:

  • Controle de Acesso;
    • Acesso de Pessoas:
      • Funcionários;
      • Prestadores de Serviços;
      • Visitantes;
    • Acesso de Veículos:
      • Veículos de Passeio:
        • Empregados;
        • Visitantes;
        • Gestores;
      • Veículos de Serviço;
      • Veículos de Carga;
  • Recebimento e Separação de Correspondências;
  • Operação de CFTV;
  • Rondas;
  • Supervisão;

As definições das rotinas podem ser revistas no artigo específico “Gestão de Segurança Patrimonial – Rotinas“.

Todas as variáveis são planilhadas, estimando o percentual de utilização de cada função em cada rotina. Devem ser estimadas também a necessidade de mão de obra de reserva também.

A planilha fica assim:

Estudo de Caso
Matriz de Análise e DimensionamentoProfissionais
PorteiroVigilanteConferenteRecepcionista
12X3612X36Horário AdministrativoHorário Administrativo
RotinaVariáveisDiurnoNoturnoDiurnoNoturno
Controle de Acesso de Pessoas:
Funcionários
Prestadores de Serviços
Visitantes
Postos0,70,2
Reserva0,50
Controle de Acesso de Veículos de Passeio:
Empregados
Visitantes
Gestores
Postos0,3010
Reserva000,30
Controle de Acesso de Veículos de ServiçoPostos0,20,30,20
Reserva000,10
Controle de Acesso de Veículos de CargaPostos0,50,520,61
Reserva0,500,30,60
Recebimento e Separação de CorrespondênciasPostos0,30,8
Reserva00
Operação de CFTVPostos11
Reserva00
RondasPostos10,4
Reserva0,30,4
RecepçãoPostos0,2
Reserva0
SupervisãoPostos1
Reserva0

A planilha completa pode ser encontrada aqui.

Usando estes dados, chega-se à conclusão que a equipe de Segurança do Trabalho deve ser composta por:

Conclusões
ProfissionaisEfetivosReservas
PorteirosDiurno21
Noturno1
VigilantesDiurno61
Noturno21
Conferente1
Recepcionista1
Supervisor1

Em termos práticos, a quantidade de porteiros pode ser reduzida. Suas atividades podem ser realizadas por vigilantes que ainda podem acumular algumas atividades em sua carga de trabalho.

Quanto ao supervisor, normalmente é um dos vigilantes mais experientes. A depender do contrato com o fornecedor, esta função pode ser acumulada.

Normalmente há somente um reserva Diurno e um Noturno. Trata-se de um vigilante que pode realizar a maioria das funções. Em alguns casos, as empresas de Segurança Patrimonial deixam os reservas em suas próprias bases. Assim eles podem atender diversas empresas com as quais tem contrato. Este arranjo deve, sempre que possível, ser evitado pelo tomador de serviços. A qualidade do serviço sempre cai quando o reserva externo entra em ação.

Próximos Passos

No artigo final desta série serão feitas algumas considerações adicionais importantes acerca do tema Segurança Patrimonial subordinada à Segurança do Trabalho.

https://www.leonidasseg.com.br/gestao-de-seguranca-patrimonial-consideracoes-adicionais

Artigo Anterior

https://www.leonidasseg.com.br/gestao-de-seguranca-patrimonial-ferramentas-auxiliares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

If you agree to these terms, please click here.