Segurança, Saúde e Ergonomia no Ônibus Interestadual

Ônibus na Estrada

Viagem de Ônibus

     Recentemente fiz uma viagem de trabalho de Macaé a São Paulo. Em outras épocas, esta viagem seria feita de avião. Seja partindo diretamente do aeroporto de Macaé ou então em duas pernas, sendo uma de carro até o Rio de Janeiro, esta viagem normalmente seria feita por via aérea. Por questão de disponibilidade de voos e economia, a viagem foi feita de ônibus.

     Já havia feito viagens longas de ônibus antes, mas desta vez resolvi prestar atenção em algo relacionado à minha atividade como Engenheiro de Segurança: SEGURANÇA, SAÚDE e ERGONOMIA!

     Pude notar que os fabricantes de ônibus – Marcopolo, neste caso específico – enfrentaram muitos desafios ergonômicos ao longo dos anos. Alguns desafios foram vencidos, outros continuam esperando por soluções definitivas. O mesmo é verdade no que se refere a Saúde e Segurança.

     Faremos uma análise bem simplista destes fatores no ônibus, sob a perspectiva de um passageiro. Segurança e Ergonomia aplicada à atividade de conduzir o veículo, feita pelo motorista, merece uma análise mais profunda, à parte.

Aguardando o ônibus

     Talvez esta tenha sido a pior parte da viagem. Aguardar para entrar no “carro”, como o motorista chama o ônibus, em uma rodoviária desconfortável como a de Macaé foi bastante penoso. Há poucos bancos – de madeira – disponíveis aos passageiros. A rodoviária desta cidade é pequena e totalmente aberta, não oferecendo abrigo das intempéries e expondo todos a um nível alto de ruído.

     Na rodoviária do Tietê, em São Paulo, a condição é bem melhor. Existem salões amplos que oferecem algum conforto aos passageiros, com bancos em quantidade suficiente e boa vedação contra intempéries.

     Nas rodoviárias intermediárias ou nos postos de parada, não há nada de extraordinário a notar. A estrutura oferecida acompanha o tamanho da cidade ou do posto de serviços onde está alocada.

Entrando no ônibus

     A porta de entrada no ônibus é bastante estreita, com cerca de 50 cm de largura e com degraus bastante íngremes.

     Pude perceber que passageiros idosos têm alguma dificuldade em adentrar no ônibus. Passando pela porta e pelos degraus, o corredor é estreito, com os mesmos 50 cm de largura, o que exige bastante atenção enquanto se está caminhando, para não atingir ninguém com a mochila ou outras bagagens.

     O piso é muito bom. Antiderrapante.

Poltronas

     As poltronas do ônibus da Marcopolo, modelo Paradiso, são muito boas. A largura e a altura acomodam bem o corpo da maioria das pessoas. O assento é confortável e o apoio das costas oferece um bom suporte.

     As regulagens oferecidas são bastante limitadas em função do espaço disponível. Somente é possível reclinar um pouco o encosto, cerca de 40 graus, o que não dá muito conforto para dormir, como veremos mais adiante. Ainda em se falando de regulagens do banco, quando o passageiro da frente reclina o seu banco, o espaço disponível fica muito reduzido, dificultando a leitura de um libro, por exemplo. Quando isto acontece (reclinagem da poltrona em frente a nossa), praticamente somos obrigados a também reclinar, transferindo o problema para o passageiro de trás.

     Existe um detalhe irritante quanto às poltronas, talvez mais por causa da educação dos passageiros do que por um problema de projeto em si: a falta de espaço para os cotovelos. A questão é a obrigatoriedade de se dividir o apoio de braços central. Quando se viaja em família, não há problema, visto que este apoio pode ser recolhido e inclusive permitir mais conforto ao casal. Em viagens solitárias e/ou a trabalho, é realmente irritante ter que disputar este apoio. Talvez pudessem haver dois…

Ruído a bordo

     Neste quesito, o fabricante do ônibus está de parabéns. O isolamento acústico é muito bem-feito. Pouco ruído vaza para dentro do ônibus. Fica bem fácil notar a qualidade do isolamento quando a porta intermediária (entre o corredor do ônibus e a cabine do motorista) é aberta. Nestes momentos, o ruído no compartimento dos passageiros aumenta sensivelmente. Efeito semelhante ocorre quando é aberta a porta de um dos banheiros do ônibus. Vaza algum ruído vindo da rua para dentro do ônibus.

Condução do Veículo

     A condução do ônibus da empresa Kaissara, foi bastante tranquila durante quase todo o trajeto.

     Antes de partir o motorista verifica se todos os passageiros estão com os cintos de segurança devidamente afivelados e dá uma breve explicação sobre a viagem, alguns quesitos de segurança e informa sobre as paradas a serem feitas.

     No trajeto entre Macaé e São Paulo há troca de motoristas no meio do caminho, em uma garagem da empresa, localizada no Rio de Janeiro, se não me engano. Isto é positivo pois permite que a condução seja feita por um motorista descansado.

     A viagem toda transcorreu sem incidentes. A empresa adota o uso de tacógrafos para monitorar a velocidade dos ônibus, o que reduz muito a possibilidade de acidentes. O único sobressalto foi uma ultrapassagem que, em minha opinião, demorou demais para ser concluída.

Temperatura e Qualidade do Ar

     Os ônibus interestaduais há muito tempo já não tem janelas que os passageiros possam abrir. Toda a ventilação é mecânica, feita pelo aparelho de ar condicionado a bordo. Não há a menor dúvida que estes aparelhos são superdimensionados para a demanda existente. Há pouca dúvida que os motoristas, em geral, não sabem regular este aparelho. Em quase todas as viagens, o ar condicionado é colocado na temperatura mais baixa possível. Isto transforma o compartimento dos passageiros em uma verdadeira geladeira, principalmente nos horários da madrugada. A temperatura só muda quando algum passageiro mais inconformado aborda o motorista e exige a mudança. Que é feita a contragosto.

     Outra preocupação é a qualidade do ar. Como toda a ventilação é feita de forma mecânica, passando por dutos de pequeno diâmetro, existe o risco de haver alguma contaminação do ar. Isto é agravado pelo fato de estes veículos terem uma rotatividade enorme de passageiros, que às vezes viajam doentes (gripe, resfriado, etc.). Nestas situações, algumas doenças podem ser facilmente transmitidas.

Dormindo

     Dormir em um ônibus interestadual não é lá muito agradável. Ainda que o nível de ruído seja satisfatório, existem outros fatores que prejudicam o sono, tais como: posição semi-sentada, espaço limitado para se acomodar e ruído… provocado pelos outros passageiros roncando!

     Aqui cabe um destaque especial para os apoios de pernas disponibilizados em cada assento. O uso destes apoios realmente melhora muito o conforto para dormir. Use-os!

Uso do banheiro

     O primeiro desafio para se usar o banheiro em um ônibus em movimento é sair de sua poltrona. Aqui levam vantagem os passageiros sentados na poltrona do corredor, pois não dependem da colaboração do outro passageiro.

   Uma vez alcançado o corredor, existe uma solução bastante engenhosa para permitir um bom apoio aos passageiros: as bordas do compartimento superior de bagagem tem uma pega muito agradável nas mãos e permitem um bom suporte. Desta forma, o passageiro pode ir se segurando de forma contínua até os fundos do “carro”.

     Uma boa decisão das empresas de transporte é oferecer dois banheiros, sendo um destes exclusivo para mulheres. Isto é importante pois a forma de uso do banheiro é diferente entre os sexos. O banheiro masculino SEMPRE é mais sujo. Seja em escola, estádio de futebol, shopping center, etc, a diferença de asseio é notória.

     O banheiro do ônibus – como não poderia deixar de ser – é bastante pequeno. Além de pequeno, é mal localizado, pois fica atrás do eixo traseiro, em um local muito suscetível a movimentos bruscos. Ainda que haja locais para que o passageiro se segure enquanto faz suas necessidades, o risco de cair ou se sujar é iminente.

     A higiene do banheiro é razoável. Há sabão e água para lavar as mãos e a descarga funciona satisfatoriamente.

     Talvez seja preciosismo, mas levanto aqui uma preocupação com “contaminação cruzada” devido ao manuseio dos diversos apoios, maçaneta, torneira e controles enquanto o passageiro ainda NÃO lavou as mãos. Esta é uma situação inevitável e que permite a transmissão de germes pelas superfícies tocadas.

Conclusão

     Os ônibus interestaduais evoluíram muito e oferecem uma excelente alternativa de transporte de médias e longas distâncias a baixo custo.

     Do ponto de vista de Segurança e Saúde, é uma opção bastante adequada, com excelente relação Custo X Benefício. Ainda que as viagens aéreas sejam mais rápidas e confortáveis, a adoção do transporte rodoviário de longa distância pode ser adotada como prática comum para deslocamento de funcionários.

     Para que os problemas identificados no texto sejam minimizados, oferecemos as recomendações abaixo, que devem ser adotadas em todas as viagens de ônibus.

Recomendações

  1. – Leve um agasalho e, se possível, um cobertor leve. Faz muito frio à noite. Quando dormimos, a temperatura de nosso corpo diminui, fazendo com que sintamos mais frio. Manter-se bem agasalhado é fundametal para ter um bom sono. Mesmo de dia, o ar-condicionado é mantido em temperaturas desagradavelmente frias. Agasalhe-se. Dependendo to tipo de passagem, algumas empresas já oferecem cobertor e travesseiro aos passageiros.
  2. – Leve um travesseiro ou apoio de cabeça. É difícil econtrar uma posição confortável para dormir, reclinado na poltrona. Um bom travesseiro ou apoio de cabeça pode ajudá-lo.
  3. – Leve um livro, revistas ou bateria extra para o celular. O tempo pode demorar a passar em uma viagem. Use-o para se manter informado.
  4. – Procure usar os banheiros das rodoviárias e/ou postos de serviço ao longo do caminho. Use o banheiro do ônibus como última opção. Lave as mãos após usar o banheiro
  5. – Leve lenços umedecidos. Higienize suas mãos novamente após retornar à sua poltrona depois de usar o banheiro do ônibus.
  6. – Leve água. Mantenha-se hidratado durante a viagem.
  7. – Caso esteja resfriado ou gripado, leve lenços de papel, use-os e descarte-os adequadamente. Se for espirrar, espirre em um lenço, evitando contaminar os outros passageiros.
  8. – Faça refeições leves. Passar mal em viagens de ônibus é muito comum. Reduza este risco.
  9. – Evite comer salgadinhos. Há, pelo menos, três razões para evitá-los: “Junk Food” tem muitos corantes e aditivos, o que aumenta a sua chance da passar mal. Alguns salgadinhos são realmente fedorentos. Seu cheiro alcança o ônibus todo e pode causar náuseas em algumas pessoas. Comer salgadinhos, ou até mesmo mexer no seu pacote, causa um ruído bastante desagradável, que pode incomodar os demais passageiros.
  10. – Seja cordial com o motorista e demais passageiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *